Findo prazo da prisão temporária, sem sua renovação ou conversão em preventiva, a liberdade é certa.


Decreto de prisão temporária, mediante requerimento do Ministério Público ou a representação da autoridade policial – diga-se delegado-, endereçado ao Juízo criminal e por ele será decretado, pelo prazo, em tese, de 5 dias, prorrogável por igual período ante a existência de fortes elementos informativos para tanto.


É obrigatório constar no teor do mandado de prisão temporária, o prazo do início e o fim do cárcere. Decorrido prazo sem a sua prorrogação ou conversão em prisão preventiva, de imediato a autoridade responsável tem de pôr o preso em liberdade, independentemente de ordem da autoridade judicial.


Contudo, se por algum “lapso” da autoridade pela custódia não por em liberdade o (a) encarcerado (a), comunique de imediato o Juízo criminal competente sobre o constrangimento ilegal. Se esse se negar, procure socorro por meio do remédio constitucional Habeas Corpus.


“ Considerando que expirou o prazo decretado para a prisão temporária do paciente, sem que houvesse qualquer prorrogação, impõe-se a concessão da ordem para sanar o constrangimento ilegal. (TJ-MG - HC: 10000200359230000 MG, Relator: Dirceu Walace Baroni, Data de Julgamento: 12/05/0020, Data de Publicação: 14/05/2020).


Portanto, um minuto sequer do lapso temporal sem renovação da temporária ou conversão em prisão preventiva, é constrangimento ilegal passível do remédio constitucional supracitado.


É o conteúdo.

Silvio Ricardo Maciel Quenehen Freire

Advogado

silvioricardofreire.adv@gmail.com

www.silvioricardofreire.com


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo